O preço não tem nada a ver com o custo do produto. Quem define o preço é o mercado”, disse um executivo da Mercedes-Benz, para explicar porque o brasileiro paga R$ 265.00,00 por uma ML 350, que nos Estados Unidos custa o equivalente a R$ 75 mil.

“Por que baixar o preço se o consumidor paga?”, explicou o executivo.

Participe no Protesto!

terça-feira, 10 de julho de 2012

Política do governo deve reduzir comércio de veículos importados em 40% este ano

http://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/redacao/2012/07/10/politica-do-governo-deve-reduzir-comercio-de-veiculos-importados-em-40-este-ano.jhtm

A decisão do governo federal de elevar o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para veículos importados de países não pertencentes ao Mercosul em 30 pontos percentuais, em vigor desde dezembro do ano passado, já produz resultados. A estimativa é que haja queda de 40% na comercialização de automóveis desse segmento em 2012.
A projeção negativa foi feita nesta terça-feira (10) pelo presidente da Associação Brasileira das Empresas Importadoras de Veículos Automotores (Abeiva), Flavio Padovan, durante a divulgação do balanço do setor. A redução também está sendo relacionada à alta do dólar. O aumento do IPI foi anunciado em 15 de setembro, mas por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), a medida precisou cumprir período de 90 dias para vigorar.
Segundo levantamento da Abeiva, no primeiro semestre deste ano, o emplacamento de carros importados no Brasil registrou queda de 21,6%, ante o mesmo período de 2011. A média de vendas caiu de 18.342 no segundo semestre de 2011 para 11.829 no primeiro semestre deste ano.
O impacto sobre os empregos diretos no país, segundo a Abeiva, é de menos 29% no comparativo entre 2011 e 2012, com redução de 10 mil postos de trabalho (35 mil para 25 mil).
“O crescimento de empregos na indústria nacional foi compensada pela perda [de postos de trabalho] na de importados”, disse Padovan, referindo-se ao melhor desempenho de vendas dos veículos nacionais, beneficiados pela redução do IPI.
O recolhimento de impostos gerados pela venda de carros importados também poderá sofrer queda de 40%, passando de R$ 6 bilhões para R$ 3,6 bilhões.
Padovan demonstrou preocupação com o cenário, mas disse que ainda espera que o governo traga uma solução até o final do mês. De acordo com ele, o Ministério da Fazenda estuda medidas de auxilio, que podem ir de cotas fixas de veículos importados - sem o aumento do IPI - a isenção do pagamento do imposto.
Embora represente uma fatia pequena do mercado de automóveis no Brasil (no mês de junho, somou apenas 3,3% dos emplacamentos), Padovan defende que a presença dos importados trazem uma competição saudável. “Estabelecemos padrões de tecnologia e inovação, incentivando a indústria nacional a investir”, disse.

Nenhum comentário:

Postar um comentário